Abertura do 18º Festival de Cinema Brasileiro de Paris

Brasileiros Sem Fronteiras PARIS informa: Abertura do 18º Festival de Cinema Brasileiro de Paris

 Amanhã será a abertura do 18º Festival de Cinema Brasileiro de Paris, 5 de Abril de 2016,  às 20:00 horas.
O Festival acontece no Cinema l’Arlequin e é produzido pela associação Jangada presidida por Katia Adler.

18º Festival de Cinema Brasileiro de Paris
Terca-feira, 05/04/2016
Abertura às 20:00 horas
L’Arlequin
76 rue de Rennes
75006 Paris
França

Na noite de abertura do 18º Festival de Cinema Brasileiro de Paris será projetado o filme “Nise – O Coração da Loucura”. O filme será apresentado pelo seu diretor Roberto Berliner e atriz Glória Pires. O filme “Nise – O Coração da Loucura”, venceu o Grand Prix de melhor filme do 28º Festival de Tóquio em 2015. Glória Pires também levou o prêmio de melhor atriz por seu papel como a psiquiatra Nise da Silveira.

Durante a premiação o Roberto Berliner destacou que a alagoana Nise (1905-1999) foi sua “heroína” e disse que ela não era muito conhecida quando começou a fazer o filme, há três anos. “Era minha responsabilidade mostrar a história dela para o mundo”, disse ele, que recebeu o troféu das mãos da atriz japonesa Kiwa e foi recepcionado pelo diretor norte-americano Bryan Singer, presidente do júri do festival. Glória Pires não estava presente no evento.

O longa metragem aborda um período de cerca de uma década no qual Nise é reintegrada ao serviço público e vai cuidar dos internos do Cento Psiquiátrico Pedro 2º, no Engenho de Dentro, no Rio. A partir dos anos de 1940, a médica propôs aos pacientes atividades lúdicas, como pintura e cuidados de animais domésticos. A proposta, recebida como atitude comunista pelos colegas, chocou as alas mais conservadoras da psiquiatria tradicional, que defendiam métodos como eletrochoque e lobotomia (remover parte do cérebro).

Nise da Silveira:
“Egas Moniz, que ganhou o prêmio Nobel, tinha inventando a lobotomia. Outras novidades eram o eletrochoque, o choque de insulina e o de cardiazol. Fui trabalhar numa enfermaria com um médico inteligente, mas que estava adaptado àquelas inovações. Então me disse: ‘A senhora vai aprender as novas técnicas de tratamento. Vamos começar pelo eletrochoque.’ Paramos diante da cama de um doente que estava ali para tomar eletrochoque. O psiquiatra apertou o botão e o homem entrou em convulsão. Ele mandou levar aquele paciente para a enfermeira e pediu que trouxessem outro. Quando o novo paciente ficou pronto para a aplicação do choque, o médico me disse: ‘Aperte o botão.’ E eu respondi: ‘Não aperto.’ Aí começou a rebelde.”*
E foi quando não apertou o botão do eletrochoque que Nise da Silveira começou – com sua rebeldia – uma revolução. Mudou de forma definitiva o tratamento psiquiátrico que se fazia no Brasil da década de 40 – e influenciou a psiquiatria do país até os dias de hoje.
Entre os dias 6 de 12 de abril o público poderá descobrir os 8 filmes que estarão fazendo parte das premiações.

Durante o 18º Festival de Cinema Brasileiro de Paris serão exibidas 8 das mais recentes produções nacionais.

Mais informações:

https://brasileirossemfronteiras.com/abertura-do-18o-festival-de-cinema-brasileiro-de-paris/

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: